quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

AMÉLIA


Não havia musica que Amélia mais odiava que: “Ai que saudade da Amélia”, não podia acreditar que existisse uma mulher como tal. E, o que era pior, não suportava as brincadeiras a que era obrigada a ouvir por causa do seu nome. Até por que ela era o oposto da Amélia da música. Ela era independente, lutava pelo o que acredita, por isso não escondia sua insatisfação quando alguém chegava próximo a si e começava a cantar: “Aquilo que era mulher...”.
Amélia acreditava na igualdade entre o homem e a mulher. Ou melhor, acreditava que o homem devia fazer de tudo para agradar a mulher. Não conseguia entender, nem aceitar uma música como aquela, musica que, para ela, em momento algum enaltecia a mulher por suas lutas, e sim, por sua acomodação, aceitação, subserviência ao homem. E isso era inadmissível. “Essa história de passar fome e achar bonito não ter o que comer. De mulher não ter vaidade. Não existe” – dizia.
Por isso vivia a criticar as mulheres que abdicavam da sua vida pelo marido, pelo casamento. “A mulher não é simplesmente uma máquina de fazer filhos e limpar a casa.” – afirmava.
Bonita, bem sucedida, Amélia namorara poucas vezes, com trinta e sete anos já estava ficando para titia, bem, ficando não já era titia. Todas as suas amigas de infância já haviam se casado.
Mas, apesar de mostrar-se casca dura, Amélia, era sim, uma mulher romântica. E como todas as mulheres românticas, sonhava com a chegada de seu príncipe encantado, que, montado em seu cavalo branco, a arrebataria e a levasse para seu castelo onde viveriam felizes para sempre. Um homem que viveria para lhe fazer feliz.  Que não gostasse de futebol, sem amigos e sem ex-namoradas. Que a trataria como uma princesa, ou melhor, como uma rainha.
“Este homem que você deseja, infelizmente, não existe” – diziam suas amigas. “Ou é o bar, ou o futebol, os homens nunca vêem sozinhos. Sem contar com aqueles que vêm com os dois”.
“Por isso que estou sozinha” – respondia – “Eu que não vou ficar em casa passando roupa enquanto o meu marido sai para jogar futebol ou beber cerveja com amigos. Não sou empregada de ninguém. No meu lar, serei a rainha. Vocês que são umas bobas, idiotas”.
Mas todas sabiam que tudo o que ela dizia era da boca para fora, em seu intimo Amélia se sentia triste e sozinha.
Um dia Amélia apareceu com uma grande noticia: Estava apaixonada, pois, havia encontrado o homem da sua vida, o seu príncipe encantado.
A princípio ninguém acreditou nela. Pensaram até em mandar interna-lá. Ela havia ficado louca. Afinal, achar alguém para chamar de príncipe, ainda mais para ela chamá-lo, com todas as suas exigências e manias era quase que um milagre. Ou loucura. Não que não acreditassem em milagres, mas, preferiram acreditar em loucura. Amélia estava louca.
Aos poucos o que parecia um delírio foi se tornando realidade. Amélia definitivamente encontrara o amor. E para provar isso, marcou um jantar com toda a família e amigos.
Todas estavam ansiosas para ver e conhecer seu príncipe encantado. Algumas diziam que ele deveria estar à beira da morte, outras que ele, deveria ser terrivelmente feio. Teve até quem achara que ele era gay e ela teria um casamento de aparências.
No dia do jantar todas estavam lá e preparadas para rirem de Amélia e ver seu príncipe da forma que ele realmente seria: Um sapo.
Más línguas. Más amigas. Invejosas. Incomodadas com a felicidade alheia. Não queriam acreditar que Amélia havia tirado a sorte grande e que, diferentemente delas havia encontrado um príncipe de verdade.
 Ele não chegou montado em um cavalo branco, mas, a sua beleza causou uma grande surpresa. A inveja começou, quando viram a sua postura e a sua educação. O “sapo” era um príncipe. Perfeito! O homem que Amélia sempre sonhara. O homem que elas acreditaram não existir. Ou melhor, existir somente na imaginação de Amélia.
Amélia tirara a sorte grande. Enfim, seria a rainha do seu lar, como sempre sonhara. Naquele dia, nenhuma de suas amigas conseguiu dormir, tamanha inveja que sentiam.
Dias depois; o casamento. Amélia, enfim, se tornara a rainha que tanto sonhara.
“Que inveja”. – pensavam as amigas – “Que inveja”.
Aquele fora o dia mais feliz de Amélia até então. E o dia mais difícil para suas amigas. O dia em que tiveram que aceitar que Amélia sempre tivera razão. Sempre estivera certa e elas... E elas... Corroíam-se por dentro...
Dias depois, querendo presenciar a vida de rainha que Amélia estaria vivendo, suas amigas se reuniram e foram visitá-la. Ansiosas para verem a Rainha que ela se tornara. Foram sem avisar, afinal era sábado à tarde, e quem sai aos sábados à tarde? Com certeza Amélia estaria em seu castelo com seu rei.
Então, aproveitando-se que seus “príncipes” saíram para jogar futebol foram elas, visitar a “rainha Amélia”.
Ao chegar à casa de Amélia, a surpresa: não havia castelo, não havia rainha. O rei havia saído fora jogar futebol com os amigos enquanto a “rainha” passava uma enorme pilha de roupas. E, o que era pior, Amélia em nada se parecia com a Amélia que estavam acostumadas ver. Ela estava com as unhas por fazer, os cabelos, que cuidava com grande esmero, chegando a gastar fortunas para mantê-lo sempre maravilhoso, aparentemente quebradiço, sem vida. Amélia tentou disfarçar, mas era tarde demais. O castelo, de areia, havia desmoronado.
Nesse momento suas amigas foram acometidas por um grande sentimento de: Felicidade. A inveja se foi. Aquele sentimento mesquinho que sentiam se dissipou. Não havia mais rainhas ou plebéias. Não havia mais conto de fadas, agora era a vida real. E se sentiram feliz por isso, mas, com uma pontinha de tristeza, afinal eram amigas de Amélia e a amavam.
A tarde foi maravilhosa, feliz. Tão feliz que até combinaram de se reunirem na próxima semana.
Ao deixarem à casa de Amélia, suas amigas, não puderam se conter, e, felizes, foram embora cantando: “Amélia não tinha a menor vaidade. Amélia que era mulher de verdade...”.

A amiga merecia essa homenagem.

Marc Souza




segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

CONTO DE UM AMOR SEM LIMITES


           
Faltavam poucas horas para tudo, definitivamente, acabar. Poucas horas, então, tudo aquilo se transformaria em lembranças. Boas. Ruins. Mas, somente, lembranças.
De repente, tudo desapareceria. Para sempre. Todo sempre. As ruas. As casas. As praças. Tudo seria engolido pelas águas. Logo, a cidade transformar-se-ia em história. Submersa. Solitária no fundo de uma imensidão sem fim de água.
O progresso é cruel. Não há sentimentos, portanto, não há compaixão. O país precisa de energia elétrica. Precisa crescer. A usina hidrelétrica estava pronta. Em poucas horas as comportas se fechariam. E tudo o que ali estava, desapareceria por completo. Desapareceria para sempre. Tudo se transformaria em um mar de água doce. Um grande mar de água doce que traria conforto e progresso, para milhares, milhões de pessoas.
Por isso, a cidade estava fazia. Totalmente deserta. Só restavam lembranças. Histórias passadas. Vividas. Fantasmas de um povo, que viveu por centenas de anos, e, que foi obrigado a abandonar as suas casas. Seus lares. Suas vidas. Suas histórias.
No silêncio da cidade morta. Um barulho. Um barulho?
Dona Menina esta sentada em sua cadeira de balanço, na varanda de sua casa. O barulho é do balanço, que, incansável, vai de um lado para o outro. De um lado para o outro. De um lado para outro.
O tempo passa. Esgota-se. E dona menina a balançar. Alheia a tudo, dona Menina vai de um lado para outro, de um lado para outro.
Mas, há um problema, dona menina não esta alheia a tudo. Pelo contrário, dona menina esta muito ciente de tudo. Sabe que o tempo é curto. Sabe que em horas, tudo não passará de história. Lembranças do que um dia foi. Mas, mesmo assim, esta lá, sentada em sua cadeira de balanço indo e voltando, indo e voltando, a balançar. A esperar. Ela não espera a morte. Apesar da morte ser um ser iminente, ela, não a espera. Ela espera algo mais importante. Algo que esperou por sua vida inteira. E não arredará o pé, antes, que este chegue.
Vizinhos. Amigos. Os poucos familiares que lhe restaram. Até o prefeito veio até dona Menina a fim de persuadi-la a sair dali. Mas, em vão. Então, sendo mulher feita, consciente e sabedora dos infortúnios que aguardam-na, foi abandonada à própria sorte, ou, a sua própria vontade. Afinal só ela pode se salvar.
Aos 75 anos, dona Menina passara a sua vida inteira, ali, sentada na varanda a esperar. A olhar para o horizonte perdido. Em sua cadeira de balanço de um lado para outro, de um lado para outro.
Olhando o horizonte, relembra os bons e maus momentos que vivera. Lembra-se do amor de sua vida. Aquele a quem ela se entregou, de corpo, alma e coração. Aquele a quem amou todos os dias da sua vida. Aquele, que, por covardia, perdeu.
Olhando para o horizonte sem fim, espera. Espera a chegada daquele que foi o fruto do seu amor. Resultado de um amor que nem o tempo conseguiu apagar.
Dona Menina era jovem e bela, a mais bela da cidade. Naquela época era a única mulher na cidade com formação superior, fruto de vários anos na capital do estado. Bom partido, o melhor da cidade, vivia sendo cortejada pelos homens. Homens ricos, influentes. Homens considerados de bem.
Mas, dona Menina, não podia mandar no coração, aliás, ninguém consegue fazê-lo, por isso, apesar de inúmeros pretendentes, Menina apaixonou-se por um homem de fora da cidade. Um forasteiro como diziam, os moradores.
Foi amor à primeira vista.
De repente, estava apaixonada.
Estavam apaixonados. Perdidamente apaixonados.
A guerra começou. Todos eram contra o namoro de Menina, que brigou, lutou, fez chover, mas, não conseguiu demovê-los, não conseguiu a aprovação da família quanto ao seu namoro e as reais intenções de seu namorado.
“É um vagabundo!” – dizia o pai – “Uma pessoa sem eira nem beira.”
“Ele só quer brincar com você, Menina.” – completava a mãe – “Será que só você não vê?” “Será que você não percebe isso?”.
Mas, Menina não queria nem saber o que os pais diziam, por isso começou a encontrá-lo às escondidas, na calada da noite. Com a desculpa de ir à reza na casa de uma ou de outra amiga, saía e se encontrava com seu grande amor. Perdidamente apaixonada, entregou-se a ele, no dia, a que considerava o dia mais feliz da sua vida. O dia ao qual nunca se esqueceu. Mesmo com o passar dos anos. Os muitos anos, sem que nunca, por um dia sequer, se esquecesse daquele dia.
Um dia, a noticia, ele iria embora. Teria que ir embora. Por causa do seu envolvimento com Menina, ele fora despedido do emprego, e, ninguém, ninguém na cidade tinha coragem de lhe contratar, ou melhor, ousava contratá-lo, pois, todos tinham medo do pai dela.
Naquele dia ele estava triste, arrasado. Definitivamente acabado. Sem dinheiro e sem posses teria que ir embora. Deixar a cidade em busca da sua sobrevivência.
Pediu, para que Menina fosse embora com ele. Disse que a amava e queria casar-se. Menina pensou, pensou, mas não foi. Não teve coragem de abandonar sua vida, sua família. Amava aquele homem, era verdade. Amava-o mais do que qualquer pessoa pudesse imaginar. Mais do que a própria vida. Menina não conseguiu desafiar o pai. Não tinha forças para isso. Na verdade, não fora criada para isso.
Chorando, Menina viu-o partir. Para sempre. Viu seu amor, sua felicidade escapar pelos dedos das mãos como areia fina. Viu-o partir, para nunca mais voltar.
Aquilo foi demais para Menina, que passou duas, três semanas sem ao menos sair do quarto. Não conversava com ninguém. Não ouvia ninguém. E comia pouco, muito pouco. Comia o suficiente para manter-se viva.
De repente percebeu que algo estranho estava acontecendo com ela. Sentia fraqueza. Enjôos. De repente percebeu estar grávida. A princípio ficou feliz. Depois, desesperada. Grávida. Sem um marido. Aquilo seria seu fim. Uma vergonha, para si, e, principalmente para a sua família.
Devia ter ido embora, mas, não fora, agora, teria que enfrentar aquela situação de frente.
A noticia da gravidez caiu como uma bomba na família. Menina foi ofendida, humilhada pelos pais. Se perder a virgindade antes do casamento já era motivo de vergonha na família naquela época, imagina uma gravidez.
Dias depois, Menina e sua mãe deixaram a cidade com destino à capital. Para que Menina estudasse, disseram. Meses depois, ela deu a luz a um menino. “A cara do pai” – pensou – ao receber o filho pela primeira vez em seus braços. Nesse momento, chorou de alegria. Chorou, também, por lembrar-se dos momentos maravilhosos que vivera com o pai dele.
Após o nascimento da criança, Menina e a mãe viveram por um tempo na capital. Tinham uma vida boa, mas, silenciosa, Menina vivia quase o tempo todo em silêncio. Quase não conversava com a mãe ou com qualquer outra pessoa que viessem visitá-las. Vivia para o filho: Banhava-o, amamentava-o, dedicava-se completamente a ele. Que era a sua alegria. A única alegria que tivera, naquela infeliz vida.
Em uma manhã, sua mãe, pediu para ela arrumasse as malas, pois, voltariam para casa. Menina arrumou tudo e pôs-se a esperar, brincando com o filho que insistia a sorrir-lhe o tempo todo.
Horas antes de partir, uma tia chegou à casa. Friamente sua mãe pediu-lhe para a filha dar o menino à tia. A partir daquele momento ela seria a mãe do filho de Menina.
Aquilo deixou Menina desesperada. Ela chorou. Pediu. Implorou. Ameaçou fugir. Mas, não demoveu a mãe da decisão.
Sem qualquer ressentimento a tia pegou o filho dos braços de Menina e se foi.  A criança chorava desesperadamente, mas, nada fez com que desistissem de toda a maldade para com Menina e seu filho.
Ao ver o filho partir, Menina ainda correu atrás do carro onde estavam a tia e o filho. A tia parou o carro e por um minuto Menina olhou a criança chorando, que, ao sentir um leve toque das mãos de sua mãe no rosto, parou de chorar. Menina sabia que aquele seria a ultima vez que veria seu filho, então fez um pedido a tia; Pediu para que ela falasse ao seu filho sobre ela. Que dissesse a ele que ela o amava, e que ele nunca fora abandonado. Pediu a tia para que um dia ela o deixasse conhecê-la. Vendo o desespero da sobrinha ela aceitou. Fez-lhe uma promessa. E se foi.
Desde então Dona Menina vive ali, sentada a esperar. A esperar pelo filho que nunca veio. Não até aquele momento, mas ela sabia que um dia ele viria. Viria vê-la. Então abraçá-lo-ia. Beijá-lo-ia. Far-lhe-ia inúmeras declarações de amor.
Esperando pelo filho, Menina foi vivendo ali, dia após dia, todos os dias de sua vida.
Acompanhou a morte dos pais. Dos irmãos mais velhos. E esperou.
Sempre olhando o horizonte e a balançar. Vai e vem. Vem e vai. Sempre olhando o horizonte e a esperar. Esperar, pelo filho amado. Único fruto de um grande e verdadeiro amor. Único fruto, do seu amor.
E mesmo com a iminência da morte, não conseguia sair dali.
“E se ele viesse logo hoje – pensava – E não me encontrasse?” “Poderia achar que eu não o amo”. “Poderia pensar que eu realmente o abandonei”.
Nada passava na sua cabeça, além da volta do filho para os seus braços. Aquela criatura frágil, pequena, tão indefesa. Que agora, imaginava, seria um homenzarrão. Lindo, forte, cheio de saúde. Com uma família linda. Filhos. Netos. Logo ele estaria ali, no seu portão. Então, este, seria o dia mais feliz da sua vida. Mais feliz. Por isso, não podia sair dali, prometera que estaria a sua espera. Prometera. E promessa é dívida.
Não quebraria uma promessa. Principalmente a promessa feita ao seu filho tão amado.
De repente, no meio daquele silêncio todo, um barulho ensurdecedor. Depois, outro. E mais outro. O fim se aproximara. O fim da cidade. Da história. Dos sonhos. O fim de Dona Menina estava chegando.
Então, uma criança chega ao seu portão. Ela olha e sorri. Um sorriso lindo. Cheio de vida. O menino abre o portão e corre para os braços de Menina, que o abraça e o beija amavelmente.
- Eu sabia que você viria...  – diz ela aos prantos – Eu sabia.
Outro barulho, então, o fim! A água toma conta de tudo, sem dó, nem piedade. Em segundos, tudo se esvai para sempre, submerso na imensidão azul de água doce.
   
Marc Souza



sábado, 7 de dezembro de 2013

RÁDIO MORRO


RADIO MORRO


Nos dias atuais, com o aumento da violência, e a negligencia e/ou incompetência dos nossos governantes, que não fazem absolutamente nada para mudar esse quadro deprimente da nossa sociedade, comecei a imaginar o nosso futuro, que, infelizmente, apesar de todo o otimismo que tenho, em um mundo melhor, em uma vida melhor a todos, não pude fugir da triste realidade que infelizmente esta por vir então criei este conto.
            Apesar de tudo o que esta acontecendo nos dias atuais, espero que, o que esta sendo retratado neste conto não passe de mera ficção.


                    


- Boa noite amigos da Rádio Morro. Estamos aqui novamente reunidos para a transmissão de mais um grande combate, ao vivo, entre a polícia e os traficantes. Conosco nessa noite maravilhosa, Zé, o grande comentarista da Rádio Morro. E aí Zé o que você espera desse grande combate?
- Boa noite Mane! Boa noite ouvintes da rádio! Bem, o que eu espero desse confronto, aliás, um grande clássico, é o seguinte, os policia vão vim com tudo, depois de prenderem Caco e sucessivas vitórias contra os traficantes na cidade, eles estão empolgados e vem aqui para o morro confiantes na vitória. Já os traficantes que estão sendo pressionados pela sua diretoria e necessitam da vitória, vão para o tudo ou nada, pois, mais uma derrota e cabeças, com certeza, vão rolar.
- E quem ganha o combate?
- Não sei. Prefiro ver o desenho tático de ambos os lados, para opinar.
- Obrigado Zé. Conosco nessa transmissão, Boca do Loro, maconha, craqui, cocaína, tudo para você ficar doidão você encontra na Boca do Loro, representante exclusivo dos produtos Colombian. Gringo Armas, onde você encontra todo tipo de armas, de todos os calibres, legalizadas ou não, Gringo Armas, não vá para um assalto ou acerto de contas sem antes passar na Gringo Armas. Agora vamos com o nosso repórter Jacaré, que está no campo de batalha esperando as equipes.
- Boa noite Mane, boa noite Zé, boa noite ouvintes da Rádio Morro, por enquanto tudo tranqüilo por aqui. Momentos atrás estive conversando com Daco irmão do traficante Caco e ele me disse que todos estão muito tranqüilos, bem concentrados e confiantes na vitória, ele disse também que a libertação de seu irmão Caco, que está preso em um presídio de segurança máxima é questão de tempo.
- Obrigado Jacaré. Agora vamos com Vandí nosso repórter que está na entrada do morro esperando a chegada dos policiais. É com você Vandí.
- Olá, boa noite! Aqui na entrada do morro tudo também está muito tranqüilo, os bares ainda estão abertos, vejo algum movimento de viciados em uma boca de fumo aqui perto, tudo normal.
- Ok! Quer ficar como o grande Raul dizia, maluco beleza, Boca do Loro, tudo para você ficar doidão, Boca do Loro, essa eu garanto. Pode falar Vandí.
- Bem Mane, aqui na entrada do morro os bares já estão fechando, o movimento diminuiu bastante, olha, está chegando a hora viu, daqui a pouquinho a policia vai ta chegando por aqui.
- Ok! Seus inimigos aumentaram, você vai participar de um grande assalto, Gringo Armas, as mais modernas armas para você, Gringo Armas.
- Mane, queria lembrar aos ouvintes da rádio que estão acabando as vagas para o curso de roubo de cargas promovido pela Associação dos Ladrões de Cargas do Brasil, os interessados entrar em contato com a Associação, o preço para esse curso está bem acessível, ta legal.
- Legal. Esse curso é muito bom, participei dele o ano passado e adorei, os professores são muito bons.E aí Jacaré, como estão as coisas aí no campo de batalha?
- Os traficantes já estão em posição, viu Mane, armas, muitas armas, algumas de grosso calibre estão em poder dos traficantes, olha arrisco em dizer que as coisas serão muito difíceis para a policia hoje, pois os traficantes estão muito bem preparados.
- A polícia chegou.
Fogos, muitos fogos.
- Vai começar o combate ouvintes da Morro.Com apresentação de Mane Duarte, comentários de Zé, reportagens de Jacaré e do grande Vandí, Rádio Morro a sua rádio, a nossa rádio, junto também com Gringo Armas, a última palavra em armas e Boca do Loro, aqui o pó tem qualidade, Boca do Loro.
- A policia invade o morro Mane – diz Vandi
- E lá vem a policia pela rua direita, os traficantes estão na defensiva esperando o ataque dos policiais, os policiais avançam rapidamente, correria na área dos traficantes. E aí Zé, o que você acha desse combate? Quem ganha?
- Acho que vai dar empate. Os policia estão em grande número, mais acho que os traficantes que estão na defensiva não vão dar mole, aliás, eles não podem ter muitas baixas, pois estão enfraquecidos e se o bicho pegar pelo jeito eles fugirão para não se prejudicarem para os próximos combates, visto que, poderão ter reforços de alguns traficantes que estão presos no momento.
- E isso aí ouvintes da Morro. Rádio Morro, a única rádio que transmite ao vivo as invasões da PM aos morros da nossa cidade, total cobertura jornalística do maior evento da cidade, junto com Gringo Armas e Boca do Loro. E lá vai a polícia pelas vielas do Morro, estão armados até os dentes e procuram pelos traficantes que estão escondidos em seu campo de defesa. Tiros, tiros, a batalha começa ouvintes da Morro, os tiros vem de todos os lados. Ta lá um corpo estendido no chão. E aí Jacaré, é de policial ou traficante?
- Bem Mane daqui onde estou parece que é um policial, mas preciso chegar um pouco mais perto para confirmar, agora o tiroteio é muito constante e não dá para sair daqui, mas assim que der confirmarei para você e para os ouvintes da Morro, olha tenho quase certeza que é policial.
- Obrigado Jacaré. Rádio Morro, a sua melhor opção em rádio. Continua o combate, os tiros vêm de todos os lados, correria, as portas dos barracos estão fechadas, policiais e traficantes transformaram o morro em grande campo de guerra, daqui vejo outros corpos, algumas pessoas estão feridas, está um verdadeiro caos. E você Vandí, quais informações você tem para os ouvintes da Morro.
- Bem Mane, o bicho realmente está pegando aqui em baixo, várias baixas em ambos os lados, muitos feridos, um caos, um verdadeiro caos.
- Policia no morro é só aqui, com exclusividade, num oferecimento de Gringo Armas e Boca do Loro. Venha para a Morro você também, Rádio Morro a rádio da cidade.........
- Bem amigos da Morro estamos terminando mais uma super transmissão do combate entre traficantes e policia, hoje deu empate, algumas baixas de ambos os lados, mas, todos sabemos faz parte do espetáculo, logo, logo, voltaremos, eu, o Zé, o Vandi e o Jacaré para mais uma transmissão ao vivo de mais uma invasão do morro, lembrando que sempre com Boca do Loro, cocaína, craqui, maconha, tudo para você ficar doidão você encontra na Boca do Loro e também com a Gringo Armas, não vá para um assalto sem antes passar na Gringo Armas, a última palavra em armas.Um grande abraço e uma boa noite.


            É meus amigos, só nos falta essa.

Marc Souza

           

CRÔNICA NOVA NO JORNAL DA CIDADE ON LINE


segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

VIDAS MORTAS



A única gota d’água que aquela terra recebera nos últimos meses, foram as lágrimas dos seus olhos. Lágrimas de tristeza, de sofrimento. Lagrimas de não sei o quê.  Seus últimos anos foram marcados por muito trabalho. Muito trabalhou, muito plantou, mas, a chuva não veio e as lágrimas que jorraram dos seus olhos, apesar de não terem sido poucas, não foram suficientes para molhar a terra dura e seca do lugar.  
Ao olhar em volta, teve a certeza, de que, mais uma vez, tudo estava perdido. Não houve uma semente sequer, que não sucumbira diante da estiagem. Nada brotou, nada cresceu, nada floresceu. Tudo simplesmente se perdeu, inclusive a esperança, que apesar de ser molhada com o suor do seu trabalho e com as lágrimas de esperança, também não brotou, sucumbindo à seca.
Ajoelhado sobre a terra dura e seca, como se fosse fazer uma oração, chora. Chora a falta de água, a falta de comida, a falta de esperança. Chora a falta de fé. Fé que se foi junto com a esperança de dias melhores. Com a esperança de um futuro melhor para ele, e para a sua família.
À sua volta só há tristeza e desolação, não há qualquer resquício de vida, até os carcarás foram embora, voaram para longe em busca de comida. Neste momento tenta se lembrar de quando vira pela última vez um teiú, ou um pássaro qualquer, mas, não consegue, sabe  que, os que não morreram de fome ou sede, também deixaram aquele local para tentarem sobreviver.
De onde ele está, consegue ver os filhos brincando, alheios a tudo, brincando diante da casa de taipa, coberta de folhas de palmeiras. Brincam, com o cachorro abelha, um vira-lata tão magro, mais tão magro, que sequer, agüenta com o peso da própria cabeça, e, com seus brinquedos improvisados, feitos de madeira, barro e restos de quaisquer coisas que pudessem encontrar. Estão felizes. Correm, gritam, sorriem. Os meninos, três, estão magros e barrigudos. Suas roupas velhas se resumem há, um calção e uma camisa, todos muito castigados pelo tempo, velhos que só, mais velhos até que eles mesmos. Mas, estão felizes, afinal, nada conhecem além da miséria em que se encontram.
Quanto a ele, apesar de ter nascido e crescido naquele lugar, esta cansado. Cansado de viver. Cansado de sonhar.
Sonhar com a chuva no momento certo. Sonhar com uma verde e bela plantação. Sonhar com fartura na mesa. Sonhar com uma vida melhor, vida esta, que  nunca veio. Só ficou nos seus melhores sonhos. Aqueles do passado, de quando ainda conseguia sonhar. Para ele, tudo se perdeu. Os sonhos, a esperança, a vida. Não há mais razão para lutar, não ali. Não mais.
Por muito tempo viveu de sonho e reza. E como rezou. Toda a noite rezava, implorava para que a chuva viesse no tempo certo, trazendo consigo força e saúde para sua lavoura. Que viesse trazer água para seus animais, água para a sua família. Água limpa e saudável. Mas, apesar de tanta reza a chuva não veio. Nada molhou, nada brotou, nada viveu, tudo se perdeu.
Sabia que a falta da chuva, não era culpa de Deus ou da sua falta de fé, afinal, apesar de todas as dificuldades que passou comida à mesa nunca faltou, a Providencia Divina sempre se fez presente, mas, agora, estava muito cansado, muito triste, muito infeliz. Não queria mais esperar. Não queria mais perder. Não aceitava mais perder. Não queria mais viver na miséria. Queria mudar sua vida, não só a sua, mais a vida de toda sua família.
Por isso tomara uma decisão, no entanto, o que poderia lhe trazer esperanças, naquele momento trazia-lhe somente medo e insegurança. Sabia das agruras em que vivia, mas as incertezas do futuro o amedrontavam. Ajoelhado na terra firme e seca, olhou para o céu e viu somente o sol brilhando forte, onipotente, não viu uma nuvem sequer, nenhuma brisa soprou o seu rosto, sentiu somente um mormaço, um calor quase que insuportável. Um calor que, destruía aos poucos sua vida, um calor que destruiu por completo suas esperanças. Por isso, iria embora. Deixaria todo aquele sofrimento para trás. Deixaria aquela vida cheia de privações e provações.
Deixaria, para sempre seu lar. O único lugar que conhecera como lar em toda a sua vida. Onde estavam as suas raízes, a sua vida. Mas sabia também, que, se demorasse muito tempo ali, suas raízes ficariam fracas e secas, e também sucumbiriam diante da seca. Como sua plantação, como seus animais.
As incertezas quanto ao seu futuro o incomodavam. Várias perguntas sem respostas povoavam a sua mente, deixando-o muito apreensivo.
Como seria o seu futuro? O que o esperava nessa nova etapa de sua vida? Mais sofrimentos? Mais privações? Mais provações?
A verdade, era que ele queria somente uma coisa: Dar uma vida melhor para seus filhos, para sua esposa e para si mesmo. E, esta mudança poderia ser o inicio de tudo. Poderia!? Talvez!? Nada era certo. O presente, o futuro. Nada. Mas, ele tinha que começar de alguma maneira. Força e vontade de trabalhar nunca lhe faltaram. Nunca.
Vendo os restos dos animais mortos pela seca que estavam à sua volta, mortos pela falta de comida, velhas carcaças espalhadas pela terra sem vida, transformando o local em um cemitério aberto no meio do nada. Vendo as arvores secas, sem vida e restos secos da vegetação que completavam a triste paisagem, rezou. Pediu proteção a Deus, ao “Padim Cícero” e, chorou novamente. Chorou por aqueles que já haviam partido daquele lugar, por aqueles que ficariam ali a sofrer, a rezar, a plantar sonhos e esperanças, sabendo que nunca hão de colher qualquer um dos dois. Chorou por ele e por sua família. Chorou por sua vida.
Depois, apoiou as mãos no chão e beijou aquela terra morta, demonstrando todo seu amor por ela. Se despedindo para sempre daquele chão feio e ao mesmo tempo, para ele, tão belo.
Ao levantar viu sua mulher, que, na porta de casa, observava a tudo, em um silêncio impassível. Ao perceber que ele a vira, ela entrou. Ele sabia que ela também sofria com todas as incertezas e privações em que viviam, mas nada dizia, nunca, simplesmente aceitava “seu destino”, em silêncio.
Olhou à sua volta pela última vez procurando absorver cada detalhe, cada sensação daquele lugar, mesmo as mais desagradáveis, para que não as esquecesse jamais, pois, sabia que dificilmente voltaria ali e que logo, tudo aquilo não passaria de lembranças. Somente lembranças. Lembranças do que foi. Lembranças do que poderia ter sido.
Após esta “cerimônia”, foi até seus filhos, beijou-os um a um e os abraçou juntos, tornando-se um só corpo, um só coração, uma só vida. Sua mulher foi até eles participando do grande e terno abraço. Agora, não eram mais cinco pessoas, cinco vidas, mas, um só corpo, unidos pelo amor mutuo. Depois disso, entraram todos na casa simples, onde, após se lavarem na água suja e barrenta, fizeram a última refeição antes da partida: caldo de feijão e farinha mandioca. De barriga cheia, rezaram com fé, e foram dormir, afinal, antes mesmo de o sol nascer, partiriam dali, para sempre, em busca de uma vida nova, em busca de novas oportunidades, encontrando, talvez, a tão sonhada felicidade.

Marc Souza



quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Onde estarão nossos verdadeiros heróis



Em todos os lugares do mundo encontramos histórias sobre seres fantásticos. Todo país, toda cidade por menor que seja possuem suas próprias lendas.
O cinema, aproveitando-se do fascínio que estes seres exercem imortalizaram alguns, criando grandes clássicos audiovisuais.
Vampiros, lobisomens e zumbis são os mais fascinantes e mais famosos destes seres.
Como não poderia deixar de ser, o Brasil também possui os seus. Saci, Mula sem cabeça, boto cor de roça, lobisomem, curupira, dentre outros vivem no imaginário popular. Já no cinema, o Brasil, possui o impagável, e não menos famoso Zé do Caixão, personagem conhecido mundialmente, criado por José Mojica Marins.
Esses seres aterrorizantes e ao mesmo tempo fascinantes ficam muito bem na imaginação humana, melhor ainda, para quem gosta é claro, quando ganham vida na tela de cinema.
No entanto, enquanto estes seres fazem-nos sentir um medo passageiro, seja nas histórias aterrorizantes passadas de geração a geração ou quando apresentados nas telas de cinemas que passam com um simples acender de luz, no Brasil, esta surgindo um monstro real, trazendo um medo permanente.
Enquanto nos cinemas vemos os vampiros correndo desesperadamente atrás de sangue, este monstro brasileiro ambiciona poder. Enquanto lobisomens buscam saciar seus instintos animais em busca de carne humana, estes fazem qualquer coisa por dinheiro. Enquanto os cérebros são os objetos de desejo dos zumbis, estes querem ser eternizados na cúpula estatal.
Este monstro brasileiro surgiu nos porões da ditadura em uma cidade paulista, todo vermelho, chegou ao poder tão somente para enriquecer a si e aos seus.
Estes monstros de vermelho, não estão nem aí para a vida humana. Matam cada dia, mais e mais pessoas, doentes nas filas dos hospitais. Matam de fome e sede famílias inteiras na região nordeste e aqui no sul. A falta de estrutura causada por seus desvios de dinheiro, tira a vida de milhares de pessoas a cada forte chuva, a cada feriado prolongado. Este monstro mata a cultura das pessoas investindo minimamente na educação, e ajuda a criminalidade nas leis de proteção aos bandidos e na falta de investimento nas carreiras ligadas a segurança pública.
Como os vampiros, são belos, cultos, demonstram bondade e a melhor das intenções quando querem aumentar os impostos, aumentar a arrecadação, quando conseguem, mostra a verdadeira face.
Estou muito assustado com este monstro, pois, no cinema temos os mocinhos para nos ajudar a vencer o mal, para salvar os mais fracos e destruir a maldade, quando não, nosso medo se dissipa após uma hora e meia, duas horas, pois a luz se acende e vimos que tudo não passou de um filme.
Agora, no mundo real, onde este monstro esta destruindo tudo o que encontra e se fortalecendo mais e mais, pois, nossos mocinhos estão usando o ditado: quando não conseguir vencer o seu inimigo, junte-se a ele, o que fazer?
Onde estarão os nossos salvadores?
O que fazer para destruir esses monstros?
A luz, eu já acendi!


Marc Souza (escritor)


quarta-feira, 27 de novembro de 2013

OS VERDADEIROS DESCOBRIDORES DO BRASIL


Depois de muito pensar, creio, que cheguei a uma conclusão um tanto polêmica.
            Uma conclusão que põem em xeque os livros de história.
            Uma conclusão que muda por completo a nossa história.
            Que muda a história do nosso País.
            Depois de abalizados estudos, bem não tão abalizados assim. Cheguei a uma conclusão, na qual, os nossos mais conceituados historiadores jamais chegaram. Que desconhecem por completo.
            Depois de muitos neurônios serem fritados nesta cabeça oca que Deus me deu eu descobri que:
            "O Brasil não foi descoberto por Portugal".
            Não foram nossos irmãos portugueses os responsáveis pela colonização do nosso belíssimo país.
            Você pode não acreditar, mas, eu tenho provas de que a nossa história, esta muito mal contada pelos historiadores.
            Provas substanciais.
Provas irrefutáveis.
Vocês vão ver.
Como dizem por aí, contra provas não existem argumentos.
Então vou parar de encher linguiça, e falar logo a verdade.
            Revelar a verdadeira história do nosso país.
            Dar o devido crédito a quem realmente é de direito.
Fazer justiça!
            Depois, de anos de estudo, eu descobri toda a verdade sobre o descobrimento do Brasil.
            Vou contar.
            Agora!
            Olhe, se você não for forte o suficiente para aguentar a verdade, pare de ler este texto.
            Agora!
            Já!
            Depois não diga que não avisei.
            É a última chance.
            Pare de ler.
            Bem, se você continuou a ler este texto que vai mudar a história do nosso país.
            Que vai mudar os livros de história para sempre.
            Agora vai.
            Vou falar a verdade.
            Nada mais que a verdade.
            A pura verdade.
            "Não foram os portugueses quem descobriram e colonizaram o Brasil".
            Quem descobriu o Brasil
            Foram os...
            Foram os...
            Agora vai.
            Vou falar.
            Nada vai me calar.
            Quem descobriu foram os...
            ITALIANOS!
            Se você não acredita, vou provar.
            "OS ITALIANOS DESCOBRIRAM O BRASIL"
            Sabe como descobri isso?
            Querem uma prova, irrefutável.
            Então, vai lá.
            Sabem por que foram os italianos que descobriram o Brasil?

            "POR QUE AQUI, TUDO ACABA EM PIZZA"

Marc Souza

Este texto faz parte do livro: casos, Acasos e DEScasos de Marc Souza à venda no email:
marcsouz@yahoo.com.br, ou no site da editora APED


terça-feira, 26 de novembro de 2013

UNIDOS SOMOS MAIS



QUANDO NOS JUNTAMOS, SOMOS MAIS FORTES E PODEMOS FAZER COISAS MARAVILHOSAS.

ACESSEM O LINK ABAIXO E SE EMOCIONEM.

http://123-videos.fr/meilleure-piece-jamais-depensee/

A PROPOSTA



Ele estava louco.
Foi o que todo mundo pensou quando o barman chegou na mesa com aquela proposta. Proposta absurda por sinal.  A princípio todos se negaram a participar. Não iriam se aproveitar do pobre homem, que, com certeza não estava no seu juízo perfeito.
Mas, o barman insistiu. Insistiu. Insistiu, até que todos na mesa, não agüentassem mais e resolveram participar da aposta sugerida pelo barman.
- Deixe me ver se eu entendi – perguntou um – você vai jogar um copo contra aquele poste e ele não vai se quebrar.
- Exatamente – confirmou o barman.
- Você tem certeza disso? – perguntou outro – Você esta normal... Quero dizer você não está bêbado ou noiado? Você está sóbrio?
- Totalmente sóbrio – respondeu.
- Tudo bem, apostamos com você. Cenzinha de cada um de nós, contra cem seu, combinado?
- Combinado?
- Para que não reste dúvidas entre nós, você jogará este copo contra aquele poste e ele não se quebrará.
- Isso mesmo.
Colocaram as notas no meio da mesa.
O barman pegou o copo de vidro olhou diretamente no poste e lançou-o com toda a força. O choque do vidro contra o concreto do poste fez com que o copo se quebrasse em vários pedaços.
- Bem – começou um dos clientes – o que é combinado não é caro, não é verdade – vai pegando o dinheiro do centro da mesa, mas é interrompido pelo barman que toma o dinheiro dele.
- Com certeza – diz sorridente – dê uma olhada ali no poste e veja se ele quebrou.


Marc Souza

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

MENTIRINHA


Havia tido uma ótima noite.
            Saíra com uma garota maravilhosa, tendo retornado para sua casa somente pela manhã.
            Estava feliz, muito feliz.
            A felicidade era tamanha que se esquecera das horas.
            Estava amanhecendo.
            Chegando em casa, abriu a porta devagar, evitando ao máximo fazer barulho, afinal, se sua mãe o visse chegando àquela hora ele estava frito.     Por isso entrou e trancou a porta lentamente indo diretamente para seu quarto.
            Sentou na cama, fechou os olhos e pôs-se a lembrar dos bons momentos que vivera naquela noite.
            Então, sua mãe, passou pela porta do quarto e encontrando-a aberta entrou.
            Um gelo subiu pela espinha.
            - Ué, você chegou agora?
            Danou-se pensou ele, e agora? O que fazer? Se contasse a verdade, com certeza estaria perdido.
            - Não! – respondeu, tentando achar uma solução rápida – É que... – coçou a cabeça – É que... – tinha que ganhar tempo, não sabia o que dizer – Sabe mãe... - de repente, uma idéia – É que eu resolvi ir à missa hoje cedo. Por isso é que já estou de pé.
            A mãe mostrou-se satisfeita.
            - Que bom filho! Então é melhor se apressar, se não você vai perder a hora. – disse isso e saiu.
            - Pode ficar tranqüila, eu já estou indo – disse desanimado.
            Cansado, sonolento ele saiu e foi para a missa.
            Quando retornou o almoço já estava posto.
            Exausto, desculpou-se e, dizendo estar indisposto, não almoçou e foi dormir.
            Dormiu a tarde toda, acordando somente no inicio da noite, quando, comeu alguma coisa e voltou a dormir.

            A mãe nada disse, somente sorriu, pois, zelosa que era, sabia que o filho não dormira em casa na noite anterior, mas, estava satisfeita com a lição que ele recebera.

Marc Souza 

CRÔNICA DA SEMANA



Acessem o link e divirtam-se com a crônica da semana no Jornal da Cidade On Line

http://www.jornaldacidadeonline.com.br/leitura_artigo.aspx?art=6625